Portaria 1: Av. Príncipe de Gales, 821,
Portaria 2: Av. Lauro Gomes, 2000

(11) 4993-5400
fmabc@fmabc.br

Centro Universitário FMABC

Reitor da FMABC concede entrevista ao Diário do Grande ABC

Pin It

Publicado em: 27/08/2021

O doutor David Uip, reitor do Centro Universitário FMABC, é destaque na edição desta sexta (27) do Diário do Grande ABC. O reitor concedeu uma entrevista exclusiva à reportagem do Diário, e abordou as lições aprendidas pelos gestores durante o período da pandemia, os principais desafios enfrentados pela saúde pública e o papel importante que a FMABC terá neste cenário.

Perguntado sobre possíveis erros estratégicos durante o combate à pandemia, Uip frisou que as atitudes que foram tomadas e os resultados alcançados servem como aprendizado. “Sabe o que nós erramos? Nada. Nós aprendemos. É muito pouco provável saber o que acontece em uma pandemia. Eu vivi várias. Sou da época da doença meningocócica. Em 1973 eu era aluno da Faculdade de Medicina do ABC e me lembro que meus pais queriam me levar para o Interior de medo que eu pegasse meningite. Era assim”.

Ele ainda indicou a importância de reconhecer a capacidade que o vírus têm de surpreender os especialistas. “O indivíduo que se sente confortável em uma epidemia, que consegue prever ou que acha que consegue, vai pagar um preço muito caro porque vai ser surpreendido. Olha o que esta Covid fez”, completou.

O reitor destacou ainda os projetos e investimentos que a faculdade têm realizado não apenas para testar os possíveis casos de coronavírus, mas também para prestar assistência aos pacientes que se recuperaram da doença. “[O papel da faculdade] é fundamental. Terá de equacionar diversas dificuldades e uma delas é a operação de uma centena de milhares de pacientes pós-Covid, que é dramático. E entendo que não há estrutura pública para isso.”

Outro destaque da entrevista foi o sequenciamento genético do vírus da Covid, que a FMABC passará a fazer nas próximas semanas. “O mapeamento genômico é fundamental. Se dirige políticas públicas a partir do momento em que se têm diagnósticos e hoje o diagnóstico da infecção é fundamental, mas o mapeamento genômico também é, até para você entender como as coisas vão acontecer. E o fato de a faculdade ter é um grande avanço, isso não mostra só o resultado de dados, mostra a evolução científica da faculdade, chegar a este nível e poder fazer igual aos melhores centros do país, e é isso que estamos fazendo.”

Para acessar a entrevista completa, acesse o link https://is.gd/biRY8u.