Portaria 1: Av. Príncipe de Gales, 821,
Portaria 2: Av. Lauro Gomes, 2000

(11) 4993-5400
fmabc@fmabc.br

Documentos Curso de Farmácia

 BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. O índio brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília: Ministério da Educação, 2006.

 BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana. Brasília:' Ministério da Educação, 2004.

 BRASIL. Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República. Programa nacional de direitos humanos: PNDH - 3. Brasília: SEDH/PR, 2010

 COSTA-RENDERS, E. C. Tolerância e inclusão de pessoas com deficiência. Revista de Educação Do Cogeime. Ano 16, n. 30, p. 27-34, jun., 2007

 MOURA, M. C. O surdo – caminhos para uma nova identidade. São Paulo: Revinter, 2000.

 SASSAKI, R. K. Terminologia sobre deficiência na era da inclusão.

 BIREME/OPAS/OMS. Biblioteca Virtual de Saúde. Tutorial de pesquisa.

 DUARTE, Eliane de Fátima; PANSANI, Thaís de Souza Andrade. Recomendações para elaboração, redação, edição e publicação de trabalhos acadêmicos em periódicos médicos. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 24, p. 577-601, 2015.

 CONSELHO DAS ORGANIZAÇÕES INTERNACIONAIS DE CIÊNCIAS MÉDICAS.

 ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Diretrizes éticas internacionais para pesquisas relacionadas a saúde envolvendo seres humanos: preparado pelo Conselho das Organizações Internacionais de Ciências Médicas (CIOMS) em colaboração com a Organização Mundial da Saúde (OMS). 4 ed. Brasília: CIOMS, 2018.

 Curso online: prescrição farmacêutica no manejo de problemas de saúde autolimitados: módulo 2: unidade 3: documentação do processo de atendimento e da prescrição Farmacêutico na atenção à Saúde)

 Guia de prática clínica: sinais e sintomas do aparelho genital feminino: dismenorreia. Conselho Federal de Farmácia. – Brasília: Conselho Federal de Farmácia, 2017. 218p.:il. (Guias de prática clínica para farmacêuticos, 2).

 Guia de prática clínica: sinais e sintomas respiratórios: espirro e congestão nasal/Conselho Federal de Farmácia. – Brasília: Conselho Federal de Farmácia, 2017. 218p.:il. (Guias de prática clínica para farmacêuticos, 1)

 Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo. Fascículo XI: Consulta e Prescrição Farmacêutica. / Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo. – São Paulo: CRF-SP, 2016. 120 p. : il., 28 cm - - (Projeto Farmácia Estabelecimento de Saúde)

 GONZALEZ, M.M.; Timerman S., Gianotto-Oliveira, R.; Polastri, T.F.; Canesin, M.F.; Lage, S.G.; et al. I Diretriz de Ressuscitação Cardiopulmonar e Cuidados Cardiovasculares de Emergência da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arq. Bras. Cardiol. V.101, n 2, supl. 3, agosto, 2013. –

 TIMERMAN, S. (Ed.) Cuidados cardiovasculares de emergência e ressuscitação. Revista da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo. V 20, n 02, abril/maio, 2010.

 SÃO PAULO (ESTADO). Secretaria da Saúde. Código sanitário do Estado de São Paulo: decreto n. 12342, de 27 de setembro de 1978, regulamento da promoção, preservação e recuperação saúde no campo de competência da Secretaria de Estado da Saúde. São Paulo: Imprensa Oficial, 1980. 375 p.

 CHAMBERLAIN, J. Analysis of drugs in biological fluids 2 ed. Boca Raton: CRC Press, 1995. –    Acesso controlado solicita usuário e senha

 HODGSON, E.; LEVI, P.E. A Texytbook of Modern Toxicology. 2 ed. Connecticut: Appleton & Lance Ed Stamford, 1997.

 Brasil. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Assistência Farmacêutica no SUS / Conselho Nacional de Secretários de Saúde. – Brasília : CONASS, 2007.

 BRASIL. Ministério da Saúde. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas de Saúde. Departamento  de  Atenção  Básica. Assistência  farmacêutica   na   atenção   básica: instruções técnicas para a sua organização. Brasília: Ministério da Saúde, 2006. 90 p. (Série A. Normas e manuais técnicos).

 BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciências, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Cuidado farmacêutico na atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2015. 4 v

 ROSS, SHELDON. Probabilidade – Um curso moderno com aplicações. Editora Bookman;8ed.2010      

 BUSS P., PELLEGRINI FILHO A. A saúde e seus determinantes sociais. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.17, n.1, p.77-93, 2007.

 SARTI, CA. A dor, o indivíduo e a cultura. Saúde e Sociedade, 10 (1):3-13, 2001. -

 BRASIL. Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Assistência Farmacêutica no SUS (Coleção Progestores – Para entender a gestão do SUS, 7). Brasília: CONASS, 2007.                                                                   

 BRASIL. Lei nº 10.216, de 6 de abril de 2001. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

 BRASIL. Política Nacional de Medicamentos 2001/ Ministério da Saúde, Secretaria de Políticas de Saúde, Departamento de atenção básica – Brasília. Ministério da Saúde, 2001.

 BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Coordenação-Geral de Desenvolvimento da Epidemiologia em Serviços. Guia de Vigilância em Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

 CARVALHO, C. A.; PINHO, J. R. O.; GARCIA, P. T. Epidemiologia e aplicabilidade no Sistema Único de Saúde. São Luís:EDUFMA, 2017.          

 GARCIA, P. T.; REIS, R. S. Gestão pública em saúde: sistemas de informação de apoio à gestão em saúde. São Luís: EDUFMA, 2016.

 MONTEIRO, C. A.; LEVY, R. B.; CAMPOS G. W. S. Velhos e novos males da saúde no Brasil: de Geisel a Dilma. São Paulo: HUCIEC, 2015.

 BRASIL. Conselho Federal de Farmácia. Resolução nº. 586, de 29 de agosto de 2013c, que regula a prescrição farmacêutica e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 26 set. 2013b. Seção 1, p. 136-8.

 BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira [ebook]. 2 ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

 HODGSON, E.; LEVI, P.E. A Texytbook of Modern Toxicology. 2 ed. Connecticut: Appleton & Lance Ed Stamford, 1997.

 ANVISA - Agência Nacional de Vigilância Sanitária (BR). Farmacopeia Homeopática Brasileira [Internet]. 3 ed. Brasília: ANVISA, 2011 [capturado em 13 maio 2019].

COSTA, Mildred Patrícia Ferreira da; MIYADAHIRA, Ana Maria Kazue. Desfibriladores externos automáticos (DEA) no atendimento pré-hospitalar e acesso público à desfibrilação: uma necessidade real. Mundo Saúde, v 32, n 1, p 8-15, 2008.

GONZALEZ, Maria Margarita et al. I Diretriz de ressuscitação cardiopulmonar e cuidados cardiovasculares de emergência da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v 101, n 2, p 1-221, 2013.

MASSIMO, Erika Azevedo et al. Evolução histórica da ressuscitação cardiopulmonar: estudo de revisão. Journal of Nursing UFPE v 3, n 3, p 709-714, 2009. 

MORETTI, M.A. Eficácia do treinamento em suporte avançado de vida nos resultados das manobras de ressuscitação cardiopulmonar. Tese Doutorado. Universidade de São Paulo. 2001.