Atendimento
(11) 4993-5400
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Últimas Notícias

article thumbnailMedicina ABC e FUNCRAF firmam convênio para atendimento de pacientes com deformidades craniofaciais   Desde o início de outubro, médicos residentes da disciplina de Cirurgia Plástica da Faculdade de Medicina...
Professor do curso de Farmácia foi procurado pela revista científica Advances in Biological Chemistry para submeter novos trabalhos
 
A parceria pioneira entre Faculdade de Medicina do ABC (FMABC) e Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA), do Governo Federal, acaba de contabilizar números impressionantes. As instituições desenvolveram novo método – mais simples e mais barato – para determinar o teor total de polifenois em espécies vegetais, ou seja, o potencial de benefícios dessas plantas à saúde. O estudo, que ganhou destaque na capa da edição de dezembro de 2013 do periódico científico internacional “Advances in Biological Chemistry”, acaba de atingir mais de 10,5 mil visualizações na internet e 5,8 mil downloads.
 
O volume de acessos e a grande repercussão do trabalho levaram a editora, em 2015, a convidar o professor titular de Química Analítica, Dr. Horacio Dorigan Moya, a integrar o corpo editorial da revista. Agora, o docente foi novamente procurado para submeter novos estudos. “Escrevo para convidá-lo a enviar novos trabalhos. Até o momento, seu último artigo publicado em nossa revista foi baixado e visto muitas vezes, o que revela ser um tema de grande interesse entre os leitores em todo o mundo”, afirmou via e-mail Charlotte Hopkins, editora assistente da Advances in Biological Chemistry.
 
Segundo o professor da FMABC, neste 2017, a mesma reação química está sendo adaptada, novamente em parceria com o INPA, para a quantificação da atividade antioxidante de extratos vegetais, chás e também de outras amostras de origem vegetal, como vinhos e cervejas.
 
INTERESSE CIENTÍFICO
O processo de quantificação de polifenois desenvolvido no ABC baseia-se em reação química ainda não utilizada para essa finalidade, testada com sucesso em 20 espécies – algumas nativas da Amazônia. A pesquisa é o resultado do projeto de iniciação científica da ex-aluna Mônica Gabriela do Santo, hoje já formada no curso de Farmácia da FMABC, e fruto de estágio realizado pelo Dr. Horacio Moya em setembro de 2011 no INPA. O estudo também conta com colaboração da Dra. Cecilia Veronica Nunez, professora do Laboratório de Bioprospecção e Biotecnologia da COTI-INPA (Coordenação de Tecnologia e Inovação do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia).
 
Batizado “A new method for quantification of total polyphenol content in medicinal plants based on the reduction of Fe(III)/1,10-phenanthroline complexes”, o trabalho está disponível gratuitamente no link http://www.scirp.org/journal/abc, do periódico Advances in Biological Chemistry (vol. 3, número 6, páginas 525-535). Trata-se de revista publicada pela Scientific Research Publishing – editora internacional dedicada a várias disciplinas nas áreas de ciência, tecnologia e medicina.
 
BENEFÍCIOS À SAÚDE
Os extratos vegetais são ricos em antioxidantes como carotenos, fitoestrogênios e polifenois. São compostos capazes de remover radicais livres do organismo, que em excesso podem atacar células normais e gerar danos em biomoléculas como proteínas e DNA, ocasionando determinados tipos de câncer, doenças cardiovasculares e patologias relacionadas ao envelhecimento. Devido à complexidade e à diversidade dos compostos presentes nos vegetais, normalmente determina-se o teor total de polifenois. “Os polifenois são substâncias benéficas ao sistema cardiovascular devido a ações antioxidantes, antimicrobianas, anti-inflamatórias e até mesmo antitumorais. Como regra geral, quanto maior a quantidade de polifenois nos alimentos, maiores os benefícios que podem trazer à saúde”, explica Dr. Horacio Dorigan Moya.
 
Inicialmente os testes com o novo método da FMABC contemplaram plantas que já constam da Farmacopeia Brasileira (tipo de manual geral de orientação), como hamamelis, barbatimão, espinheira santa e carqueja. A segunda etapa incluiu espécies de uso comum na medicina popular, entre as quais graviola, guaçatonga, aroeira, gervão, tanchagem, andiroba e porangaba. A última fase do trabalho consistiu no estudo de espécies características da região Norte do país, como escada de jabuti, canarana, cumaru, pau pereira, salva de Marajó, sucuúba, jatobá, miraruira e lacre – essa última com muito poucas pesquisas disponíveis na literatura internacional.