Atendimento
(11) 4993-5400
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Últimas Notícias

article thumbnail    A Faculdade de Medicina do ABC realiza dias 24 e 25 de maio a terceira edição do “Simpósio Internacional de Reprodução Humana e Genética” e da “Jornada Multidisciplinar de Doenças Raras”. Em...
Equipes do Instituto Ideia Fértil, da Faculdade de Medicina do ABC, conduziram tratamento de reprodução assistida por três anos
 
Equipes do Instituto Ideia Fértil, organização sem fins lucrativos ligada à Faculdade de Medicina do ABC, participaram nos últimos três anos de uma importante batalha pela vida que terminou com final feliz e histórico. O serviço, ligado à disciplina de Saúde Sexual, Reprodutiva e Genética Populacional da FMABC, é referência nacional em tratamentos de reprodução assistida para pacientes com problemas de fertilidade e doenças hereditárias.
 
A fibrose cística – doença genética rara e de difícil tratamento, também conhecida como mucoviscidose – provoca acúmulo de grossas camadas de secreção especialmente nos pulmões e no trato digestivo, gerando obstruções e espaços onde bactérias podem se proliferar. É causada pela alteração no gene que faz o transporte de íons pelas membranas das células. Essa alteração faz com que as substâncias produzidas pelas glândulas exócrinas, como muco, suor, lágrimas e sucos digestivos, se tornem mais espessas, o que dificulta a eliminação e favorece a criação de processos inflamatórios e infecções. 
 
Por ser uma condição autossômica recessiva (se manifesta quando as duas cópias do gene estão alteradas), é possível ser portador de uma mutação do gene e nunca manifestar a doença. É o que ocorre com o casal Viviane Oliveira Gomes, 28 anos, e Damião Monteiro da Silva, 29 anos, de São Bernardo. No entanto, quando pai e mãe apresentam a mutação no gene que causa a doença, há risco de 25% de gerar bebês com a condição. Desta forma, a criança certamente manifestará os sintomas nos primeiros meses de vida. 
 
Ambos perderam dois filhos recém-nascidos por conta da patologia, que compromete gravemente as funções respiratórias, pancreáticas e digestivas. Ana Beatriz sobreviveu seis meses. Já Gustavo, apenas 18 dias. Os sintomas principais são pneumonias e bronquites frequentes, suor salgado, pouco crescimento e baixo ganho de peso, obstrução intestinal grave e icterícia. O casal, então, decidiu procurar tratamento em busca do sonho de gerar um filho saudável. O que até 2015 era apenas uma remota expectativa, em 2018 tornou-se realidade: o pequeno Davi veio ao mundo em 20 de março, livre da doença, após tratamento de fertilização in vitro – associado à investigação genética dos embriões –, além de quatro transferências embrionárias. Entre frustrações e esperanças renovadas, o processo levou três anos. 
 
Durante o período Viviane recebeu cuidados especiais para preparo do endométrio (membrana interna que reveste o útero) e foi submetida a um longo tratamento medicamentoso. “É uma condição rara. Foi o primeiro caso que atendemos dessa natureza no Instituto. A cada gestação por métodos naturais a chance de repetir o diagnóstico da fibrose cística no bebê é de 25%. Por isso, investigamos a mutação genética do casal e indicamos o tratamento de reprodução assistida com avaliação genética dos embriões. Hoje, ver esse bebê com vida e saudável é seguramente nossa maior recompensa”, disse Dra. Denise Christofolini, uma das geneticistas que acompanhou o tratamento. A especialista também é coordenadora do Laboratório de Genética do Instituto Ideia Fértil e docente da FMABC.
 
ETAPAS DO TRATAMENTO 
O casal chegou ao Instituto Ideia Fértil em 2015. Foi assistido pelas geneticistas Denise Christofolini e Bianca Alves Bianco, além de ginecologistas. Foram providenciados exames e um rigoroso estudo genético dos pais e dos avós para identificar a origem do gene portador da doença. Na sequência, teve início a punção dos óvulos e a coleta do sêmen para formar os embriões, posteriormente mantidos em laboratório por cinco dias até atingir a fase de blastocisto. Neste estágio são retiradas algumas células de cada embrião para biópsia e análise. Na sequência, os materiais são encaminhados para realização do Diagnóstico Genético Pré-Implantacional, conhecido como PGD, ou Pre-Implantation Genetic Diagnosis. O objetivo é avaliar a saúde genética dos embriões para identificar possíveis doenças hereditárias. 
 
Esse processo foi realizado em seis embriões, dois quais cinco estavam livres da doença. Apenas na última transferência a gestação foi concebida com a segurança de que a criança não portava o gene da fibrose cística. A paciente permaneceu assistida pelas equipes durante os primeiros três meses de gravidez e depois liberada para realização do pré-natal normalmente.
 
Como forma de agradecer a dedicação e cuidado recebidos, Viviane levou o pequeno Davi para conhecer toda a equipe que ajudou a trazê-lo ao mundo com saúde. A visita ocorreu dia 7 de maio. Emocionada, a paciente relembra a trajetória. “Soubemos do problema quando minha primeira filha nasceu, mas tínhamos esperança de cura, por mais que os médicos dissessem o contrário. Na segunda vez, como ainda havia 75% de chance de a criança nascer saudável, tentamos novamente. Mas, infelizmente ele também nasceu com a doença e logo faleceu por infecção generalizada. A partir daí resolvemos procurar tratamento. Foi um milagre e uma longa batalha. Muitas vezes íamos embora desanimados, mas a equipe é incrível e sempre nos encorajou. Lembraremos para sempre de todo o carinho e dedicação que recebemos durante o tratamento”, disse a paciente.  
 
No Brasil, o Ministério da Saúde estima que a incidência média da fibrose cística seja de um caso a cada 10 mil. É considerada a doença genética mais prevalente no mundo e exige dos pacientes uso regular de antibióticos e fisioterapia respiratória. O diagnóstico precoce (disponível no teste do pezinho) e os avanços no tratamento especializado trouxeram, nos últimos anos, ganho expressivo de sobrevida e maior qualidade de vida aos pacientes. A taxa de sobrevivência, no entanto, é considerada mínima após os 40 anos.
 
INSTITUTO IDEIA FÉRTIL
Criado em 2010, o Instituto Ideia Fértil é presidido pelo professor titular de Saúde Sexual, Reprodutiva e Genética Populacional da FMABC, Dr. Caio Parente Barbosa. O local realiza consultas, exames, inseminações artificiais e procedimentos cirúrgicos. O objetivo é oferecer tratamentos de fertilidade a um custo acessível, que pode ser até 70% menor do que os valores cobrados por clínicas particulares. Trata-se do serviço universitário com maior volume de procedimentos do País. Cerca de 4 mil bebês já vieram ao mundo graças ao trabalho desenvolvido na FMABC. Por mês, são realizados mais de 300 ciclos de reprodução assistida junto a pacientes com câncer, portadores de HIV, hepatites e doenças genéticas raras. 
 
A unidade conta com 120 colaboradores entre recepcionistas, pessoal de limpeza, médicos, enfermeiros, psicólogos, auxiliares de enfermagem, biomédicos, biólogos, nutricionista, pesquisadores, pós-graduandos, residentes, alunos de iniciação científica e pessoal administrativo. Para passar em consulta o contato deve ser via telefone (11) 4433-2830 ou pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Os atendimentos ocorrem de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, no campus da Faculdade de Medicina do ABC (Av. Lauro Gomes, 2000, Vila Sacadura Cabral, Santo André – SP).