Atendimento
(11) 4993-5400
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

Últimas Notícias

FIES 2019
Sexta, 15 February 2019
article thumbnailComo temos recebido diversas ligações de candidatos e pais com dúvidas sobre o número de vagas FIES 2019, levamos ao conhecimento de V.Sas. que as vagas oficialmente oferecidas ao FIES para 2019,...
Oficina tem apoio do Centro de Estudos em Saúde Coletiva do ABC (CESCO) e acontece dia 8 de fevereiro, em Santo André
 
A professora e vice-coordenadora da Comissão de Extensão (COMEX) e do departamento de Saúde da Coletividade da Faculdade de Medicina do ABC (FMABC), Silmara Conchão, participa nesta sexta-feira (08/02) da oficina “Tráfico de Mulheres e Meninas: educação popular feminista para implementar políticas públicas”. A iniciativa é da Associação Mulheres pela Paz e tem apoio do Centro de Estudos em Saúde Coletiva do ABC (CESCO), da FMABC. O evento das 8h30 às 17h30, no Hotel Plaza Mayor, em Santo André (Rua Coronel Fernando Prestes, 278 - Centro), será fechado e direcionado a lideranças de movimentos sociais e universidades.
 
O objetivo da iniciativa é ampliar a discussão sobre o tema do tráfico de mulheres dentro do movimento feminista e na sociedade, com foco no embasamento de políticas públicas de prevenção, repressão, responsabilização e atendimento às vítimas.
 
O mais recente relatório global sobre tráfico de pessoas, divulgado em janeiro pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque, mostra um número recorde de casos detectados em 2016, mas também a maior taxa já registrada de condenação de traficantes. A maior parte das vítimas identificadas globalmente é para exploração sexual, especialmente nas Américas, Europa, leste da Ásia e Pacífico. Geralmente atraídas por falsas promessas de emprego, as vítimas são forçadas a trabalhar em regime análogo à escravidão. Enquanto em 2003, menos de 20 mil casos foram registrados. Esse número subiu para mais de 25 mil em 2016. Segundo a entidade, existem 460 rotas de tráfico de pessoas entre países ou dentro de regiões diferentes de um mesmo país.
 
“Este fenômeno atinge majoritariamente mulheres jovens, mulheres trans, crianças e adolescentes, afrodescendentes e moradoras de áreas carentes. A pobreza, a desigualdade e a miséria de um país colocam estas pessoas em situação de extrema vulnerabilidade e alvo fácil do mercado da exploração sexual e tráfico de pessoas”, analisa Silmara Conchão.
 
Entre outras formas de tráfico de pessoas estão: meninas forçadas ao casamento, crianças para adoção ilegal, criminalidade forçada e remoção de órgãos. O evento também trará discussão de temas como vulnerabilidade de mulheres negras; orientação sexual e identidade de gênero como fatores agravantes; recomendações de ações e políticas públicas, além de discussões de grupos e plenárias. Denúncias sobre tráfico de pessoas podem ser feitas para o Disque 100 (Direitos Humanos) ou Disque 180 (Central de Atendimento à Mulher).